Descrição

Captação

A água bruta é captada no Rio Vouga quer através de poços e de furos (água sub-aluvionar) localizados nas duas margens nas imediações de um açude existente, quer através de uma captação superficial.

O caudal máximo proveniente das captações de poços e furos é de 1512 m3/h e da captação superficial de 1062 m3/h.

 

 

 

Tratamento

O processo de tratamento compreende para a água bruta proveniente da captação superficial, as etapas de pré-ozonização, coagulação, floculação, flotação e filtração, assim como as etapas de ozonização e de adsorção por filtros de carvão ativado granular (CAG) para a água de poços e furos e para a mistura desta com a água superficial filtrada. O tratamento da água será completado com uma correção do equilíbrio calco-carbónico e desinfeção final que assegurará um residual de cloro suficiente para garantir a sua potabilidade ao longo da rede de abastecimento. É ainda realizada recloragem em alguns reservatórios.

 

O controlo de qualidade é feito no Laboratório Luságua existente na sede da empresa e através da leitura continua de ph, cloro e turvação na ETA, de pH e cloro na EE2 e no RPA, e do cloro residual à saída dos reservatórios  e de uma estação de monitorização e alerta instalada no rio Vouga, a montante das captações.

 

 

 

 Elevação

É constituída pelo equipamento de captação nos poços e furos do Carvoeiro, com um caudal de 700 l/s, uma estação de tratamento (ETA), uma estação elevatória (EE1) a esta agregada, cuja função é a de bombar a água tratada para uma outra estação elevatória (EE2) a meio do percurso. Por sua vez, desta segunda estação elevatória, a água será bombada para o reservatório RPA ( 7 500 m3 ).

 

Entre a estação elevatória  EE1 e a EE2, a conduta elevatória de 700 mm,  transporta  485 l/s. Entre a estação elevatória EE2 e o reservatório RPA, a conduta elevatória desenvolve-se numa extensão de 4 765 metros, com um diâmetro de 700 mm, igualmente para um transporte de 485 l/s.

 

Fazendo parte deste sistema elevatório, e a partir da EE1, sai uma conduta elevatória em PVC, DN160 mm, que  transporta 50 m3/h até ao reservatório R1 (Macinhata do Vouga) e uma conduta em PVC, DN 63 mm, para o R16. Esta transporta um caudal  de 8 m3/h para abastecimento a Mouquim e Póvoa do concelho de Albergaria-a-Velha e Carvoeiro de Águeda.

 

Também agregada à ETA, a Estação Elevatória do Beco (EE do Beco) abastece o reservatório principal de adução do sistema de abastecimento de Águeda, o reservatório do Beco, com capacidade de 2000 m3 e implantado à cota de 124 m. A adução a este reservatório é realizada através de uma conduta elevatória compreendendo cerca de 3,7 km de extensão.

 

O abastecimento ao R1 faz-se normalmente a partir do Reservatório do Beco, sendo que o sistema elevatório a partir da EE1 ficará disponível para reforço.

 

Uma vez que o reservatório Á-dos-Ferreiros se encontra implantado a uma cota de 205 m, surgiu a necessidade de construção de uma estação elevatória localizada na freguesia de Valongo do Vouga, denominada EE de Á-dos-Ferreiros. Entre a EE de Á-dos-Ferreiros e o reservatório Á-dos-Ferreiros, existe uma conduta elevatória que se desenvolve numa extensão de cerca de 6,3 km.

 

Finalmente, e ainda incluída no sistema elevatório, sai do RPA para abastecimento da mancha de Albergaria-a-Nova, uma outra conduta elevatória de 160 mm, em PVC, para transportar 50 m3/h  até ao reservatório R4 de 1 200 m3. A água é bombada do RPA para o R4 através de uma estação elevatória (EEAN). A parte elevatória tem cerca de 16 500 m de comprimento

 

 

Parte Gravítica

Do RPA para jusante, o SRC está dimensionado para o caudal de ponta do projecto, ou seja, 460 l/s.

 

Com 7500 m3 de capacidade, situado à cota 163 m, mais elevada que a dos que a dos restantes reservatórios, o RPA funciona desta forma como centro regularizador de todo o sistema gravitico, associado a este reservatório.

 

Do RPA sai  uma conduta gravítica de 700 mm que ao longo do seu trajecto sofre sucessivas variações do diâmetro conforme os serviços de percurso que for realizando. O sistema está dividido dois sectores principais: O norte que vai até S. Jacinto e Ovar, como extremos e o sul que abastece os municípios de Aveiro, Ílhavo, Oliveira do Bairro e Vagos.

 

O Reservatório do Beco, com capacidade de 2000 m3 e implantado à cota de 124 m, abastece funciona desta forma como centro regularizador de todo o sistema gravitico de Águeda, com um caudal total de 100 l/s.

 

 

Telegestão

Para controlo e gestão do sistema foi instalado o denominado SCCC (Sistema Centralizado de Comando e Controlo) que permite ter informação em contínuo do estado dos diferentes órgãos do sistema e o seu funcionamento de modo automático. A sala de comando está instalada na sede da empresa.

 

 

 

No total, o SRC integra a 33 reservatórios, 5 Estações Elevatória (EE) e cerca de 248 km de condutas adutoras.